Inicial » Esportes » Atlético volta a vencer o Cruzeiro, faz a festa da reduzida torcida no Mineirão e conquista a taça

Atlético volta a vencer o Cruzeiro, faz a festa da reduzida torcida no Mineirão e conquista a taça

Time alvinegro se impõe como visitante, faz 1 a 0 e ganha a Copa do Brasil

Tardelli marcou o gol do Atlético na vitória sobre o Cruzeiro, por 1 a 0, no Mineirão, e garantiu a Copa do Brasil

Tardelli marcou o gol do Atlético na vitória sobre o Cruzeiro, por 1 a 0, no Mineirão, e garantiu a Copa do Brasil

O Atlético é o novo campeão da Copa do Brasil. O time alvinegro voltou a vencer o Cruzeiro, agora no Mineirão, por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, e conquistou o título inédito. Diego Tardelli, aos 47min do primeiro tempo, inflamou a reduzida torcida do Galo no estádio, ao completar de cabeça para as redes de Fábio e garantir o triunfo. Além do troféu, os atleticanos asseguraram presença na Copa Libertadores pelo terceiro ano consecutivo.

No placar agregado, o Atlético levou a melhor por 3 a 0, já que vencera o primeiro duelo, no Independência, por 2 a 0. O time celeste vinha de uma grande conquista, o tetracampeonato brasileiro, mas nem isso aumentou a motivação dos jogadores, que não repetiram as boas exibições e a regularidade da competição nacional. O final foi de festa para os 1,8 mil torcedores atleticanos, que se sentiram em casa, mesmo com o Mineirão tomado de azul e branco.

Tardelli decide nos acréscimos

Mesmo com o Mineirão repleto de Cruzeirenses, a pequena torcida do Atlético fez barulho. E contagiou o time, que mostrou muita personalidade em campo, tocando bola e marcando firme. O time alvinegro poderia ter conquistado boa vantagem no primeiro tempo, se não tivesse desperdiçado tantos contragolpes. Já a equipe estrelada não teve o mesmo ímpeto do duelo contra o Goiás, no qual ganhou por 2 a 1 e garantiu o tetracampeonato brasileiro.

O time celeste cedeu muitos espaços pelas laterais, já que precisava atacar a todo instante para tirar a vantagem do arquirrival, adquirida no primeiro duelo, vencido pelo Galo por 2 a 0, no Independência. E o Atlético foi inteligente, soube tocar bem a bola e explorar as laterais. Nem a perda de Luan, que deixou o campo substituído por causa de lesão, aos 31min, diminuiu o ritmo dos alvinegros. Maicosuel entrou e manteve o nível, sempre caindo pela direita, nas costas de Egídio.

O Cruzeiro teve uma única chance, com Ricardo Goulart, que dominou a bola na área e chutou mal, fraco, à direita de Victor. Do lado atleticano, vieram as grandes oportunidades, sempre em estocadas rápidas pelos flancos. Mas faltou caprichar no último passe e também na conclusão. Aos 47min, no último lance da etapa inicial, o Galo não desperdiçou. Depois de escanteio cobrado pela esquerda, Dátolo mandou novamente para a área e Diego Tardelli, livre, testou sem chance para Fábio: 1 a 0. Festa da reduzida torcida alvinegra no Mineirão.

Galo administra no 2º tempo

Mesmo com a grande desvantagem, a torcida celeste deu uma força na volta para o segundo tempo. O grito de incentivo, no entanto, não mexeu com os jogadores. O Cruzeiro atacava, mas perdia a bola com facilidade e ainda se expunha aos contragolpes do Atlético, que não aproveitava até por displicência em alguns momentos. O Galo poderia ter ampliado logo no início da etapa final, quando Douglas Santos escapou pela esquerda, foi ao fundo e cruzou. Maicosuel não alcançou.

Além da pouca inspiração, o ataque celeste tinha um duro adversário a superar. O sistema defensivo do Atlético funcionou muito bem: uma zaga firme e os volantes se superando na marcação. O técnico Marcelo Oliveira mexeu, trocando William por Dagoberto, na tentativa de incendiar a equipe. Em ótima oportunidade, Ricardo Goulart dominou na área e chutou na rede, mas pelo lado de fora. O Galo, por sua vez, era só tranquilidade. Seguia tocando a bola e a torcida até gritou ‘Olé’.

A partir dos 23min, a torcida do Galo tomou conta do Mineirão. Com cânticos provocativos, o já famoso ‘Maria eu sei que você treme…’ foi entoado à exaustão. E até mesmo quando o Cruzeiro tocava a bola, os atleticanos vaiavam. A impressão era que o Galo jogava em casa. Os celestes responderam com a comemoração ao quarto título do Brasileiro: ‘Tetracampeão’. Um show à parte, já que dentro de campo o panorama não mudou.

Marcelo Oliveira mexeu novamente, trocando Ceará por Julio Baptista. Uma nova tentativa de aumentar o poder de fogo da equipe, com um homem mais forte na área. A expulsão de Leandro Donizete, aos 39, só serviu para tumultuar um pouco o fim da partida. Os climas ficaram exaltados, mas só dentro de campo. Com o apito final do árbitro, a comemoração foi dupla. De um lado, o título inédito da Copa do Brasil. Do outro, já que os cruzeirenses não deixaram barato, festa para o tetracampeonato brasileiro.

CRUZEIRO 0 X 1 ATLÉTICO

CRUZEIRO
Fábio; Ceará (Júlio Baptista, 33min/2ºT), Leo, Bruno Rodrigo e Egídio; Henrique (Willian Farias, intervalo) e Nilton; Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Willian (Dagoberto, 16min/2ºT); Marcelo Moreno
Técnico: Marcelo Oliveira

ATLÉTICO
Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Leandro Donizete, Rafael Carioca (Pierre, 26min/2ºT), Luan (Maicosuel, 31min/1ºT) e Dátolo; Diego Tardelli (Eduardo, 42min/2ºT) e Carlos
Técnico: Levir Culpi

Gol: Diego Tardelli (ATL, aos 47min/1ºT)
Cartões amarelos: Dátolo, Leonardo Silva, Maicosuel, Rafael Carioca e Luan (ATL); Bruno Rodrigo, Willian (CRU)
Cartão vermelho: Leandro Donizete (ATL, 39min/2ºT)

Motivo: 2º jogo da final da Copa do Brasil
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 26 de novembro, quarta-feira
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Emerson Augusto de Carvalho (SP)
Público e renda: 39.786 pagantes e R$ 7.855.510,00

Super Esportes