Inicial » Brasil/Mundo » Brasileiros ainda ignoram riscos da exposição a raios ultravioleta

Brasileiros ainda ignoram riscos da exposição a raios ultravioleta

Raios UltravioletaAlertas, há de sobra. Mesmo assim, boa parte dos brasileiros menospreza os riscos do sol à saúde e contribui para que o número de casos de câncer de pele continue crescendo. Só este ano, 188 mil homens e mulheres devem ser diagnosticados com a doença no país.

Na tentativa de conter as estatísticas e aumentar as chances de cura de quem desenvolveu o tumor, 4 mil médicos farão mutirão no sábado para informar a população sobre as formas de prevenção e a importância do diagnóstico precoce. Na data, é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Câncer de Pele.
Em Minas, o atendimento, gratuito, vai das 9 às 15h, em dez cidades (veja quadro). Quem comparecer será avaliado por especialistas. Se houver suspeita de câncer de pele, a pessoa será encaminhada para exames complementares e tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Minas Gerais (SBD-MG), Geraldo Magela Magalhães não tem dúvidas de que falta consciência sobre os perigos do sol. “A partir dos seis meses de idade, é preciso usar filtro solar todos os dias”, diz. O fator de proteção mínimo deve ser o 30.
Barreiras físicas para os raios ultravioleta, como chapéu, óculos escuros e sombrinha, também são indispensáveis. Arsenal que deve fazer parte da rotina: o certo é usá-los independentemente de se passar muito tempo ao ar livre. “Os danos ao organismo são cumulativos. Por isso, o cuidado precisa começar na infância”.

SINAIS

Ferida avermelhada que sangra facilmente ou não cicatriza e pinta ou lesão que muda de cor, forma ou tamanho são um alerta para que a pessoa procure um dermatologista. Pintas que surgem após os 30 anos também precisam ser avaliadas.
“Um lado positivo é que o câncer de pele é visível, o que faz a pessoa procurar ajuda cedo”, afirma Geraldo Magela.

Há dois tipos de tumores: o não melanoma, mais frequente e menos agressivo, e o melanoma, raro e de letalidade maior. No entanto, se detectados precocemente, ambos têm grandes chances de cura.

Quem quiser ser avaliado no sábado deve comparecer aos postos sem maquiagem e esmalte, não usar protetor solar cor base e vestir uma roupa prática, como bermuda, para facilitar o exame. Em Minas, a ação é promovida pela SBD-MG com o apoio da Associação Médica de Minas Gerais.

Hoje em Dia