Inicial » Gerais » Custo global da obesidade atinge US$ 2 trilhões ao ano e se aproxima do gasto com tabagismo

Custo global da obesidade atinge US$ 2 trilhões ao ano e se aproxima do gasto com tabagismo

Atualmente, 45% da população brasileira está acima do peso

Atualmente, 45% da população brasileira está acima do peso

O custo global da obesidade subiu para US$ 2 trilhões anualmente- quase igual ao custo gerado pelo tabagismo ou o impacto combinado da violência armada, guerras e terrorismo, segundo um estudo divulgado hoje pelo Instituto Global McKinsey.

O relatório da empresa de consultoria se concentrou nos aspectos econômicos da obesidade e calculou que o problema provoca impacto de 2,8 pontos porcentuais no Produto Interno Bruto (PIB) global. “Obesidade não é apenas um problema de saúde”, afirmou um dos autores do estudo, Richard Dobbs. “Mas é um grande desafio econômico e de negócios”, acrescentou.

O instituto informou que 2,1 bilhões de pessoas, cerca de 30% da população mundial, estão com sobrepeso ou obesidade. Além disso, esse aspecto representa 15% dos custos com a saúde em economias em desenvolvimento.

Em mercados emergentes, conforme os países ficam mais ricos, a taxa de obesidade sobe para o mesmo nível encontrado em países mais desenvolvidos. O relatório faz uma previsão alarmante de que quase metade da população adulta mundial estará com sobrepeso ou obesa em 2030, caso a tendência atual prossiga. “Estamos em uma trajetória infeliz”, afirmou Dobbs para a Associated Press. “Temos de agir.”

O autor do relatório argumenta que os esforços para lidar com a obesidade são fragmentados e que é necessária uma resposta sistêmica. Segundo o McKinsey, afirmou não há soluções simples ou únicas para o problema e alertou que um desentendimento mundial sobre como avançar na questão está prejudicando o progresso. A análise pretende oferecer um ponto de partida sobre os elementos de uma possível estratégia.

“Vemos nosso trabalho sobre um potencial programa para tratar a obesidade equivalente aos mapas usados pelos navegadores do século XVI”, diz o estudo. “Algumas ilhas estavam faltando e alguns continentes eram disformes nestes mapas, mas eles ainda foram úteis para os marinheiros da época”, acrescenta. Fonte: Associated Press.

Hoje em Dia